Lembranças tecidas em roupas**

Posted on

**Por Sarina Sena – jornalista potiguar pelo mundo. grande amiga. olhar sensível para a moda.

casacos1

A gente convive com isso diariamente mas muitas vezes nem nos damos conta: nossas roupas estão impregnadas de memória. Seja aquela roupa-talismã que associamos aos momentos de sorte, seja aquela mancha de chocolate que nos lembra o passeio de domingo ou até aquele rasguinho provocado por uma queda desastrosa.

 

No pequeno e muito interessante livro “O Casaco de Marx. Roupas, memória, dor”, de autoria de Peter Stallybrass, a trajetória que o casaco de Karl Marx descreve indo e vindo do corpo de seu dono à loja de penhores é refletida na obra “O Capital”. A memória que o casaco carrega e a relação do seu dono com o mesmo acabaram por gerar reflexões sobre consumo, valor dos bens de consumo e a relação deles com as pessoas.

 

No trabalho de figurino, é comum forjar “memória” às roupas dos personagens. Uma roupa nova, acabada de sair da loja, nunca tem as texturas, caimento, cores e desgastes de uma roupa já usada. Para dar realismo a uma roupa nova é que os figurinistas muitas vezes lixam, fazem pequenos furos e desbotam a cor de algumas peças. Não raro, o ator passa a vestir nos ensaios e até no seu dia-a-dia alguma peça para que ela tome a forma do seu corpo, como as dobras no joelho e o desgaste de uma barra de calça jeans, por exemplo.

 

Outro grande exemplo do valor simbólico e de memória que as peças de roupa possuem é no momento da morte de um ente querido. Para muitas pessoas, encarar o guarda-roupa de alguém que morreu é algo difícil e doloroso. Naquele momento, a roupa traz em si a imagem e o cheiro do seu antigo dono, levando muitas vezes seus parentes próximos ou não quererem entrar em contato com aquelas peças ou, por outro lado, não terem coragem de se desfazê-las.

 

Além das memórias pessoais, a roupa, aqui em sua faceta de Moda, reflete também acontecimentos de uma época. Tecidos, cortes, cores e modelos nos lembram certo período ou acontecimento histórico. Quem viveu a juventude nos anos 1980, por exemplo, vai se lembrar de bandas, festas, músicas, ídolos e tantas outras coisas ao se deparar com uma foto de uma roupa de estilo new wave.

 

Recentemente, tivemos o caso tão comentado da morte de Isabela Nardonni. Apesar da exaustiva repercussão na mídia e muito se falar sobre a tragédia, talvez você não tenha atentado para um pequeno detalhe: uma das provas de acusação contra o pai da garota foi exatamente as marcas que a tela de proteção da janela imprimiu na camiseta dele.

 

Com a tecnologia, o futuro próximo nos promete a “memória virtual” das roupas. Sensores atrelados a chips registrarão e irão monitorar nossas funções vitais, identificando e avisando a familiares ou serviços médicos alguma irregularidade na nossa saúde.

 

 

Para saber mais:

 

– “O Casaco de Marx. Roupas, memória, dor”

Autor Peter Stallybrass

Editora: Autêntica

casaco1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

http://www.defenselink.mil/news/newsarticle.aspx?id=25636

Projeto do exército americano desenvolvido em 2004, previsto para ser utilizado em 2010. Os uniformes dos soldados iriam monitorar seus sinais vitais e enviariam para as bases alerta com informações sobre o ferimento e o estado de saúde do soldado ao ser atingido em combate.

 

http://wearables.unisa.edu.au/

Projeto da University of South Australia (UniSA) de roupas inteligentes que além de monitorar as funções vitais do seu usuário ainda traz opções como ajuda na escolha de acessórios.

2
  • Compartilhe  →

Macaxeira Jackson

Posted on

Aproveitando o momento de luto pela perda de MC, uma versão diferente de Billie Jean. Da metade do vídeo pra lá. Antes tem Elleanor Rigby.

0
  • Compartilhe  →

Capanga Moderna

Posted on

imagem_net

É terça-feira próxima, dia 30, o lançamento do disco novo de Diogo Guanabara e Macaxeira Jazz. Serão dois shows, um às 19h e outro às 21h, no Teatro de Cultura Popular, anexo à Fundação José Augusto.

O nome do novo álbum, Capanga Moderna, é também o título de uma das faixas, e faz referência à mistura do novo com as coisas de antigamente. A cara dos meninos, já que todos eles têm um pezinho no brechó.

Esse cachorrinho que aparece na capa do disco (arte de Caio Vitoriano), é o famoso Baden Powell. Para ele foi composta a faixa “Tema pra Baden”. É um danado no violão, o vira-lata.

O ingresso custa R$ 10,00, à venda na Botton do miduêi.

0
  • Compartilhe  →

Cem anos depois

Posted on

Untitled-1

Daqui a pouco, às 19h, na Siciliano do Midway Mall, tem mais um lançamento da Editora Flor do Sal, de Adriano e Flávia. A revista Perigo Iminente é uma homenagem aos cem anos da conferência futurista do jornalista potiguar Manoel Dantas. O que em 1909 foi considerado delírio, não se mostrou muito distante da realidade décadas depois. 

Agora a Flor do Sal realiza tarefa semelhante, mas divide a autoria das “previsões”.  Escritores, jornalistas, poetas, fotógrafos (acho que tem mais ofícios no meio, mas não sei exatamente quantos e quais), mostraram suas versões de Natal daqui a cinquenta anos. O resultado é um coletânea de visões no mínimo interessantes. Fiquei curiosa, mas não sei quando vou poder conferir a publiação. Tem um texto meu na revista. Um doce pra quem adivinhar sobre o que eu escrevi!

Se estiver em Natal, nao perca.

E você,  como imagina Natal em 2059?

2
  • Compartilhe  →

Clima Noir no banho

Posted on

cortina Se você é louco por cinema, acabou de encontrar um item maravilhoso para sua coleção. O site Prank Place pôs a venda a “Mad mother psychoshower curtain”, uma cortina de banheiro com o desenho da mãe assassina do filme Psicose, de 1960.

Quem não gosta de cinema pode até achar mórbido ter uma cortina dessas no banheiro, mas eu achei um luxo! Já pensou deixar seu banho com uma atmosfera de filme Noir? A cortina custa U$24,89 e você pode comprar aqui .

1
  • Compartilhe  →